Fazemos parte da maior rede de Direito Empresarial do Brasil
   

INFORMATIVOS

Setor elétrico pede novos estudos sobre retorno do horário de verão em benefício da economia de energia.

Entidades representativas do setor de energia pedem que o Brasil volte a adotar o horário de verão. A proposta é apresentada ao governo como alternativa para o enfrentamento da crise energética.

Um relatório, chancelado por entidades como Instituto de Defesa do Consumidor (Idec), Instituto Clima e Sociedade (ICS), International Energy Intiative (IEI), Mitsidi Projetos, Projeto Hospitais Saudáveis e Fórum de Energias Renováveis, diz que a iniciativa levaria à redução de até 5% do consumo de eletricidade no início da noite.

A medida, de acordo com as entidades, provocaria a redução do acionamento das usinas termelétricas, mais caras que as hidrelétricas e eólias e que têm provocado os sucessivos aumentos nas contas de luz.

O documento pede ainda a realização de leilões de eficiência energética. Isto é, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) propõem uma redução no consumo de energia elétrica em alguma praça, e as empresas disputam para oferecer o menos custo para efetivar essa redução de demanda.

As entidades pedem ainda a realização de planos municipais de energia e que o tema seja incluído nos códigos de posturas e de obras de cada prefeitura, além da inclusão da eficiência energética nos próximos leilões de capacidade, promovidos pelo governo federal. Há um previsto para 21 de dezembro deste ano.

O setor acredita que medidas como essas aumentarão a resiliência do sistema elétrico, que suportaria melhor crises em outras matrizes.

O segmento entende que o retorno do horário de verão é uma medida emergencial para enfrentar o atual momento de baixa dos reservatórios das usinas hidrelétricas. O documento diz que, por mais que apesar do Brasil já ter enfrentado esse problema outras vezes, não foi implementada nenhuma medida nova e mais eficiente para evitar a crise energética atual.

“Mesmo depois de enfrentarmos outras duas situações semelhantes, em 2001 e 2014, continuamos reagindo com as mesmas medidas que se mostram tanto inefetivas quanto altamente onerosas para o bolso do consumidor. Ao longo desses 20 anos, pouco ou nada avançamos em ações estruturais, notadamente, a eficiência energética”, diz um trecho do estudo.

Um objetivo secundário da proposta, citado no documento, é evitar sobrecargas no sistema elétrico interligado, já que, com o atraso de uma hora do início da iluminação noturna, ocorre a dispersão dos picos de demanda.

Contudo, o segmento pontua que, apesar da mudança trazer impactos cada vez menores nos últimos anos, ela mitigaria as dificuldades enfrentadas no cenário atual.

“A grande questão é que, hoje, o Brasil está vivenciando uma crise hídrica. Se há alguns anos uma economia de 2% a 3% no consumo poderia ser tímida e pouco representativa, hoje ela pode fazer a diferença, aliviando um pouco a demanda em um de seus horários de pico”, diz outro trecho.

No início de setembro, empresários do setor de turismo e alimentação, como a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) e a União Nacional de Entidades do Comércio e Serviços (Unecs) enviaram ofício ao presidente Jair Bolsonaro com o mesmo pedido.

*Edição IGSA

*Fonte de pesquisa: https://www.cnnbrasil.com.br/business/por-economia-de-energia-setor-eletrico-pede-retorno-do-horario-de-verao/