Fazemos parte da maior rede de Direito Empresarial do Brasil
   

ARTIGOS

Das benfeitorias em imóveis locados

Quando se está na posse de imóvel alugado, quer seja para fins residenciais ou comerciais, algumas dúvidas e questionamentos podem surgir no decorrer da vigência contratual, ou até mesmo quando da extinção do contrato com a entrega do imóvel. Aqui trataremos especificamente das “Benfeitorias”.

As benfeitorias estão previstas na lei do inquilinato (Lei 8.245/91) nos artigos 35 e 36, e Código Civil no artigo 1.219 (Lei 10.404/2002).

O nosso objetivo, neste texto, é abordar o tema de forma a minimizar dúvidas quanto aos seguintes aspectos: tipos de benfeitorias; necessidade de autorização; ressarcimento; remoção, dentre outras dúvidas que o locatário/inquilino poderá questionar em relação aos direitos e obrigações das partes figurantes no contrato de locação.

As benfeitorias são obras que visam conservar, restaurar, adaptar o imóvel ou até torná-lo mais atrativo, para melhor atender e servir às necessidades dos usuários.

Existem 03 (três) tipos de benfeitorias previstas na lei do inquilinato, as quais destacamos:

  1. Necessárias: são obras destinadas à conservação ou restauração do imóvel, cujo objetivo é evitar a deterioração. Como exemplos podemos mencionar: troca da fiação elétrica e/ou hidráulica, telhado, paredes, piso, pilastras;
  2. Úteis – tem por finalidade melhorar a qualidade do imóvel, ampliar a sua funcionalidade Exemplo: construção e/ou ampliação de banheiro, garagem, forro, construção de rampa, grades de proteção;
  3. Voluptuárias – estas tornam o imóvel mais atraente e são compostas de itens de decoração e estética, e são de fácil remoção. Exemplo: inserção de carpetes, divisórias, artigos de decoração, jardinagem.

É importante saber qual benfeitoria no imóvel requer autorização do proprietário, se é indenizável ou não, para evitar possíveis transtornos e até sanções contratuais. Portanto, desenvolvemos abaixo um breve esclarecimento:

As benfeitorias necessárias realizadas pelo locatário, mesmo que não autorizadas pelo locador, serão indenizáveis.

As benfeitorias úteis deverão ser obrigatoriamente autorizadas pelo proprietário, expressa e por escrito, para que o locatário exerça o seu direito de indenização.

Nos dois casos acima as benfeitorias são indenizáveis e permitem ao locatário o direito de retenção do imóvel, ou seja, o locatário poderá ficar na posse do imóvel até que o locador pague o valor respectivo dos custos.

E por último as benfeitorias voluptuárias. Estas não são indenizáveis, podendo o locatário retirá-las do imóvel ao final da locação, ou durante a sua locação. Importante frisar que a remoção das benfeitorias voluptuárias não poderá afetar a estrutura do imóvel.

Portanto, as benfeitorias necessárias e úteis serão incorporadas ao imóvel enquanto as voluptuárias seguirão com o locatário. Caso o locatário não deseje remover as benfeitorias voluptuárias poderá deixá-las no imóvel, desde que o locador concorde.

E para finalizar, ressaltamos um equipamento que é por vezes motivo de questionamento e controvérsias, quando se trata do tema ora tratado: O aparelho de ar condicionado. Este item não se enquadra em nenhuma das benfeitorias, pois é considerado como “pertenças” pelo Código Civil. Ou seja, é um acessório de uso de quem o instalou.

Por Carmen Holanda, Coordenadora de Contratos IGSA